quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

e é como vai acontecer.


Te vejo perdendo-se todos os dias entre essas coisas vivas onde não estou. Tenho medo de, dia após dia, cada vez mais não estar no que você vê. E tanto tempo terá passado, depois, que tudo se tornará cotidiano e a minha ausência não terá nenhuma importância. Serei apenas memória, alívio (…)
Caio Fernando Abreu

Nenhum comentário:

Postar um comentário