quinta-feira, 23 de março de 2017

.o dorso da baleia solitária.


Segundo Bukowski, o amor acontece a cada dez anos
Você me falou
Precisamente o que você me disse foi
O amor acontece a cada dez anos
E eu acabo de chegar aos dez
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Eu te lembrei do jantar
Do meu cabelo
E da forma como o teu corpo se movia ao redor do meu
Eu gostava de acreditar que você sabia o que estava fazendo
Que os movimentos bruscos, rápidos e certeiros
Remetiam a algo como certeza, domínio e
qualquer coisa similar ou mesmo igual a segurança.
Eu tenho vergonha
Foi a primeira coisa que você me falou
Eu tenho vergonha de tudo
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Imagine se fosse seguro
Respondi certeira
Neste exato momento eu embarquei
Em direção ao poço sem nome
Porque algumas coisas não tem nome
E outras a gente só não sabe
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Por falar em jantar
Foi lá que eu conheci o menino nômade de oito anos
Que me recitou um poema:
Quando você se afastar,
Faça devagar e suavemente
Faça como se eu estivesse morrendo
No meu sonho em vez da minha vida.
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
As mensagens não paravam de chegar
E o meu medo você viu como charme
Se você se comportar, te levo café da manhã na cama
Você me falou
Você terá que ler a minha autora preferida
Eu te disse
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Enquanto você me apresentava os homens da sua vida
Eu te cobria com os abismos das minhas mulheres
Não espere para ter certeza, mexa-se mexa-se mexa-se
E eu achava que você sabia do que eu estava falando
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Você gosta do amargo.
Você me falou.
Gosto do que se despe e te despe
Independente do sabor.
Eu te respondi.
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Eu te comprei um livro vermelho
Comecei a grifa-lo quase que secretamente
Porque eu sabia que só o entregaria no fim
E vieram os desenhos, as escritas e todo o peso do meu corpo
Era pra você o livro
Depois eu soube que você achava um sacrilégio modificar a obra original
Mas era pra você o livro despido
Cada um pode mudar de opinião a hora que quiser.
Você me falou
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Tua voz é boa, segura. Eu gosto.
Você me falou
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
No poço sem nome
Pude tocar os minutos do teu tempo
Eles pairavam no ar
E o brilho da pausa me desestruturava
Acho que foi isso que me manteve por perto
Dança comigo?
Você me perguntou
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Eu não sei dançar a dois
Respondi
Deixa que eu te conduzo
Você me falou
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Aos vinte e sete anos eu gostava de explicações
Não de entendê-las, mas de possuí-las
Eu não sou bom para explicar as coisas
Você me falou
Mas eu sou boa de entender
Eu respondi.
Eu sou estranho.
Você me falou.
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Por um breve instante eu saí do poço sem nome
E foi sem suavidade e rápido demais que eu te avisei
Isso tem um fim
Não sou homem pela metade
Você me falou
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Tenho problemas em dormir junto
Eu te disse
Tenho aqui uma escova de dente nova
Você me falou
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Você me estendeu um contrato
Um contrato de que eu poderia ir embora
A hora que eu quisesse
Mas que,
Sem dúvidas,
Você protegeria o menino nômade
Mesmo que pra isso tivesse que ir embora antes
E eu grifei no livro vermelho
Sobre os leões que rugem contra Deus
Quando percebem que seus focinhos são iguais.
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Tempo
Tempo é uma coisa que eu não entendo
Mas eu respeito
Só me diga quando
E você se segurou nos teus trinta anos de idade
me garantindo clareza
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
De volta ao poço sem nome
Eu descompassava
Como se aquilo fosse eu
Também quero te ver, acredite.
Você me falou
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Soube de um poema cujo verso dizia:
Que coisa mais linda esse ácido despenteado, caramba.
O ácido é o desoxirribonucleico, DNA ou simplesmente, sangue.
Eu acho o meu sangue vermelho demais.
Eu te disse.
Você me abraçou.
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Eu não acredito nesse fim.
Você me falou.
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
E depois disso eu caí em outro poço
Esse tem nome
E eu sei o nome
Mas não quero falar aqui
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Numa esquina qualquer
No tempo exato
A vida gritou para eu sumir
Eu grifei no livro vermelho:
Não sou de choro fácil.
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Quer ir ao parque?
Eu te perguntei.
Vou num tempo diferente do seu.
Você me respondeu.
E eu perguntei se esse era o fim.
Os cachorros me deram uma direção na vida incrível.
Você me respondeu.
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Num passado próximo
Rebobinando apenas alguns dias
Eu me gravei dançando sozinha pra você
Ao meu lado, uma taça de vinho
Ao seu lado, você escancarou ao mundo, feliz, o encontro de duas
As minhas células ressoaram uma dor intangível
O contrato sempre foi de desapego e eu não te devo nada
Você me falou
E eu entendi que a baleia era eu.
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Então eu abri a porta da memória
E me vi sentada na cama preta
Com o coração acalentado
Ao ver raízes nos seus olhos e excitação
Não tenho pressa em te conhecer.
Você me falou.
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Essas coisas acontecem assim, inesperadamente.
Você me falou
Não se engane, você sabia que havia chegado aos dez.
Eu deveria ter dito.
Eu não sei quantas vezes eu te vi nua
Você me falou
Acho que nenhuma
Eu deveria ter dito.
Não dou chance ao azar.
Você me falou.
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Minha mãe não teve contrações durante a minha gravidez.
É falta de coragem.
O médico falou
Nesses casos específicos, o bebe permanece durante alguns dias a mais no útero.
Durante este tempo, desenvolve um canal ligando o osso que eu não sei o nome que fica no extremo da cabeça com o outro osso que eu não sei o nome e que fica no extremo do calcanhar esquerdo. O canal atravessa o dorso e move a baleia. A falta de coragem é recompensada por um subterfúgio para sentir. E ela sente tudo. Ela é um canal e um canal é sempre atravessado.
I wanna hold your hand
Eu deveria ter dito
Eu prefiro ser a garota
Ou a baleia
Que tem um canal nas costas
E que te escreveu um poema.
Porque eu gostaria de segurar a sua mão, nada mais.
Cassiana Maranha

quarta-feira, 1 de março de 2017

e se?

Se eu morresse agora
Alguém leria esse papel?
Me diz
Se eu me fosse agora
Alguém enxergaria mais do que os pensamentos egocêntricos de uma suicida?
Me conta
Se eu partisse agora
Alguém encontraria a minha poesia no meio dos papéis rasurados e das cartas extraviadas?
Me fala
Se eu morresse agora
Alguém me transformaria em mar, música, poema ou grafia?
Me diz agora
Se eu me fosse
Alguma falta faria?
Me conta agora
Se eu partisse
Alguém me sentiria?
Me fala agora
Se eu morresse
Essa dor pararia?

letícia lima.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

diz-secação.


Ela chegou na frente de todos
Não impediu o olhar de ninguém
Desabotoou o primeiro botão,
o segundo,
o terceiro,
o quarto.
Expôs uma semi-lua do seio esquerdo.

Só depois fui perceber a faca que trazia

Gentilmente, toma da lâmina
Rebate o sol em meu rosto
Fico cego por três segundos

Quando retorna a visão
A faca já havia cortado a pele
Exposto a gordura
A fáscia
O músculo

Delicada,
Desarticula a segunda costela
A terceira
A quarta
A quinta
A sexta

Leva a mão ao íntimo
(Ainda com a faca nela)
Já não mais a aorta
Ou a pulmonar
Ou qualquer grande vaso
Impede o coração de sair

Pulsando na mão dela
Vai mostrando a cada um
O quanto o sangue é azul

Saí dela dali sangrando
Mas, ela mal me tocou.
Alguém disse que estávamos ali para ela
Mas, por Deus!, esse sangue em mim
É que ela está aqui
E não larga mais.


Allan Denizard

domingo, 19 de fevereiro de 2017

.I want to write you a poem, but then I didn't.






















eu queria te escrever um poema
mas i don't find the lenguage
e the words somem
the world keep falling apart

e eu queria te escrever um poema
com os dizeres que eu-só-penso-em-você
e my heart está completo agora
mas é mentira
então the words somem
the world keep falling apart

e eu queria te escrever um poema
tão tarado e tão sagrado
que pareceria que você é meu único alimento
mas é mentira
então the words somem
the world keep falling apart

porque eu queria te escrever um poema real
mas como vou te explicar
que a minha honestidade
de dizer que estou perdida e quebrada, baby
nunca estou preparada e tenho medo
tenho medo medo medo e
meu passado ainda dói
e me destrói
e otras cositas más
são palavras de mais amor
do que qualquer eu-te-amo
mundialmente admirado
?

então as palavras somem
e eu quero te escrever um poema
mas the world keep falling apart
e i don't find the lenguage

e eu queria te escrever um poema real
sobre o meu coração
que não precisa estar completo agora
porque o meu o teu
passados presentes futuros
moldam meu coração com luz
e não peso
mas eu queria te escrever um poema
(e nada mais)

letícia lima.

5.

























sim, te pressentia
desde não sei quando
sem esperar, sem saber
sequer que pressentia
nos sonhos, nos inventos
nos futuros que supunha
e nem ainda tinha
nos rostos que mal via
tudo era vago então
difuso aquele tempo
dos corpos que eu não via

apenas tu eu
pressentia claro
nos caminhos de agora
mais que imaginário
no real de cada dia
em cada solidão ardida
te sabia assim
existindo ao meu lado
a falar exatamente
essas coisas fundas
exílios, prisões, partidas
que me falas agora

assim eras
quando eu te pressentia
como é agora
quando te percebo sendo

e
permaneço imóvel
como para não afugentar
uma borboleta pousada por descuido
na palma de minha mão
não digo nada
mas de certa forma

estou completo

apenas
de certa forma


Caio Fernando Abreu
8 de julho de 1980

23.





















não desvie os olhos
me olhe
esta cara que trago
é justamente
esta cara que trago
o caco o mapa o trapo
do que sobrou da viagem
tome um trago
me olhe
não desvie os olhos
esta cara que é minha
é o que restou
dos naufrágios
de todas as ventanias
de todas as calmarias
de todos esses contatos
imediatos ou não
me olhe
não desvie os olhos
de dentro e fundo de mim
veja o resto
conte o saldo
depois me mate
me cuspa me acuse
ou me recuse
então quem sabe
me goze
bem fundo
no fundo de mim

Caio Fernando Abreu