domingo, 19 de fevereiro de 2017

23.





















não desvie os olhos
me olhe
esta cara que trago
é justamente
esta cara que trago
o caco o mapa o trapo
do que sobrou da viagem
tome um trago
me olhe
não desvie os olhos
esta cara que é minha
é o que restou
dos naufrágios
de todas as ventanias
de todas as calmarias
de todos esses contatos
imediatos ou não
me olhe
não desvie os olhos
de dentro e fundo de mim
veja o resto
conte o saldo
depois me mate
me cuspa me acuse
ou me recuse
então quem sabe
me goze
bem fundo
no fundo de mim

Caio Fernando Abreu

Nenhum comentário:

Postar um comentário