quinta-feira, 30 de junho de 2011

É de lágrima.

A lágrima
Cada um com seu pranto e em cada canto uma canção qualquer.
Os dedos trêmulos trovejaram de desejo e de dor
...e o que foi um dia de sol gelou o vento manso vindo do nordeste...
e borbulhou de contentamento...
...e virou saudade...
depois de tudo respirei, fechei os olhos
e
.chorei.

Carolina Morais (Desmondier)


Nenhum comentário:

Postar um comentário