quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

.maré alta.



Antes de ser eu mesma
(ou isso que penso ser),
eu jogava esconde-esconde
com meus fantasmas
- os terríveis e os gentis.

Os dias me viravam do avesso
e desviravam,
as horas me traçavam
para me desarrumar.
Quanto mais me busquei
nos espelhos secretos,
mais me perdi de mim.

Quando chegou o tempo da verdade,
entendi que sou
- num fundo porão das horas -
reflexo de reflexo
de reflexo,
nada mais.
(E que deve ser assim.)


Lya Luft

O tempo é um rio que corre


Nenhum comentário:

Postar um comentário