sexta-feira, 16 de julho de 2010

Dentro do Pacote


Eu li Crepúsculo, Lua Nova, Eclipse, Amanhecer - e me encantei por um romance clássico, ponto. Não haviam filmes com efeitos especiais chamativos, propagandas cansativas em meios de comunicação em massa, nem matérias com páginas e mais páginas em revistas de circulação nacional ou atores e atrizes Hollywoodianos envolvidos. Era apenas eu e um livro interessante nas mãos. E depois eram bilhões de posers pelo mundo debatendo sobre um best seller que virou filme, e mais bilhões falando como uma escritorazinha de merda tinha fudido legal com as lendas e misticismos em torno dos vampiros, e mais mídia barata atrás de audiência, e mais uma modinha surge. Agora era apenas uma seguidora de modinha qualquer com aquele livro sobre vampiros de araque pra pre-adolescentezinhas retardadas que todo mundo tá lendo. Rótulos, rótulos, rótulos.

Tantos preconceitos e mal-caratismos {nem sei se essa palavra existe} de tantos tamanhos e gêneros diferentes que eu não consigo escolher por qual começar. O que você veste, de quê você gosta, a quem você ama - O engraçado não é como no fim das contas tudo acaba por se tornar só uma questão de opinião, engraçado é como tudo é só uma questão de opinião dos outros, não sua. Me dá uma vontade tão infeliz de mandar o mundo ir dar o olho do.. (e não no bom sentido - se é que tem bom sentido) que eu acabei aqui, escrevendo esse texto, me perguntando que porra o resto mundo tem a ver com as minhas escolhas, crenças e etc, o que me deixa com ainda mais vontade de ligar o Foda-se.

Não é da sua conta. Ninguém quer saber sua opinião sobre eu ter gostado de ler crepúsculo, ou dela não se envergonhar de ter um namorado de classe social mais baixa, ou daquela alí ter tido pôsteres de Rebelde, ou sobre fulaninho ser gay, ou sobre sicrano que deixou a mulher! Isso não vai influenciar em nada na sua vida, não vai fazer você passar no concurso do Banco do Brasil, no vestibular, nem muito menos te deixar interessante. Preconceito não tem graça, você ainda é feio e não tem dinheiro suficiente pra fazer alguém se apaixonar por você, pessoa nefasta.

Não são os livros que você lê ou os filmes baseados neles, nem as músicas que você houve, nem com quem você anda que te dirá quem você é! Mal amados, mal comidos ou mal rotulados, basta lembrar ou aprender só uma coisa: A embalagem não diz tudo, o rótulo está do lado de fora, isso que está dentro do pacote é que prova se vale ou não a pena... Acho que dessa vez não é preciso terminar minha revolta com uma frase de efeito, ou seja.

beijonãomeliga ;*

Faço minhas as pelavras da @luiza__ .!

Nenhum comentário:

Postar um comentário