quarta-feira, 7 de julho de 2010

Lispector, ah Lispector!



O amor é tão mais fatal do que eu havia pensado, o amor é tão mais inerente quanto a própria carência, e nós somos garantidos por uma necessidade que se renovará continuamente. O amor já está, está sempre. Falta apenas o golpe da graça - que se chama paixão.


Nenhum comentário:

Postar um comentário