sábado, 29 de agosto de 2015

6. Desesperada, mente.

Mentira, você não me ama.
Eu também, eu nunca te amei.

Mas o que importa a verdade
quanto esta sede quase mata a gente
e nada mais que uma ilusão ardente
pode saciar a vontade
de ter amor, mesmo fingido, mesmo molhado?

Verdade, eu nunca te amei.
Você também, nunca me amou.

Então diz que me ama. Desesperada, mente.
Te faço confissões alucinadas
e tenho febre ao teu lado do telefone
esperando tuas mentiras descaradas.
Sente, pouco importa a falsidade
e mente, mente, meu amor, espatifada, mente.

É tudo verdade, é tudo mentira.
Vamos voar num tapete voador
de olhos fechados, de mãos enlaçadas
como se houvesse amor, esquecer
que você não me ama
e eu também, eu nunca te amei,
meu amor, minha dor.

Desesperada, mente
mente, mente, meu amor
Alucinada, mente.

Caio Fernando Abreu


Poesias nunca publicadas, Sem data.

Nenhum comentário:

Postar um comentário